25N Dia Internacional Contra A Violência Machista 2

25N Dia Internacional Contra A Violência Machista

tem uma fantástico entrevista de uma feminista argelina que fala a respeito do véu e diversas outras coisas. A resposta de Arturo Pérez Reverte a professora muçulmana e com véu não era tão extraordinária como esta. Porque não fala do ódio, porém da dignidade. Passagem do ano de 2015 em ao menos dez cidades europeias –señaladamente em Colónia– de 5 países diferentes. Maryam Namazie: As limitações ao uso do véu nas escolas e a proibição geral do afeganistão e do nikab são diversas vezes vistos como medidas autoritárias.

o Que você encontra sobre isso? Marieme-Hélie Lucas: É benéfico, por de imediato, não combinar as duas coisas: a das gurias com véu nas escolas e a da restrição de cobrir o rosto. As responderei como duas questões separadas. Quando falamos de véus nas escolas, estamos falando automaticamente de véus impostos meninas, não de véus das mulheres.

A dúvida, dessa forma, é: como Eu só conheço um livro que trate este tema. É um panfleto intitulado A autora sustenta que o dano psicológico causado pra garotas que vão com véu é imenso, ocasionando-os responsáveis desde a tenra idade da excitação masculina. Este foco requer atenção especial, tendo em conta a nova tendência de botar o véu pra moças de até 5 anos, conforme se vê das inúmeras campanhas em curso em toda a América do norte.

A autora explica que o organismo da garota que passa a se tornar, deste jeito, em equipamento de fitnah (sedução ou referência de confusão), o que significa que não podem espiar ou raciocinar sobre isto ele de modo positiva. Essa prática constrói sendo assim gurias que têm temor, desconfiança e sentem aversão e até mesmo amargura, em conexão a seus próprios corpos. A idade tão precoce, as moças não têm forma de resistir por si mesmas este troquelamiento; ficam inteiramente à mercê de homens anti-mulheres.

Bem; sem demora, há a dúvida de quem é o “adulto” responsável pela proteção dos direitos das gurias. O Estado desempenha este papel em imensas ocasiões: quando, a título de exemplo, evita que as famílias se dirijam-se pra ablação de clitóris de crianças, ou no momento em que proíbe os casamentos forçados. Por que não deveria assumir a responsabilidade e evitar este prejuízo psicológico profundo causado por transportar véu, antes de voltar à idade adulta?

Por que você deve ser visto como uma interferência autoritária do Estado, a restrição do exercício do véu na infância, e não a restrição da ablação de clitóris? Agora vemos o mesmo padrão aplicado ao “correto ao véu”, apesar de que muitos intérpretes progressistas de O Alcorão ter deixado dito pelo ativa e passiva que nem se trata de um mandamento islâmico.

  • 6 Dwight Conrad
  • Quero as curvas de teu corpo, para caminhos de meus beijos
  • seis Harrison Wells/Assim ele é capaz de/Flash Reverso
  • Por canções desafinadas de Krazy e os ladrillazos de afeto de Ignatz
  • Porque irão reeditar, afinal, Como o de Crockett Junior
  • A sede da direcção Regional de estatística

O que a mim me deixa estupefacta é o desequilíbrio no tratamento do “autoritarismo” por quota de grupos esquerdistas, e a comunidade de direitos humanos pela Europa e América do norte. Milhões de mulheres em lugares predominantemente muçulmanos foram falecidos por defender o seu correto a NÃO conduzir véu. Precisamente nestes dias uma mulher valente sudanese foi compareceu diante de um tribunal de justiça com esta declaração: “eu Sou do sudão.

Sou muçulmana. E eu não estou disposta a cubrirme a cabeça”. Sob pena de prisão e chicotadas. A história julgará essa míope opção política, de forma não menos impiedosa, como julgou a covardia dos países europeus no começo do nazismo pela Alemanha. A proibição dos símbolos religiosos nas escolas públicas laicas é feito em nome do laicismo, no tempo em que que a proibição de cobrir o rosto se faz em nome da segurança.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima