Big Dog Breeds. Barron's Educational Series 2

Big Dog Breeds. Barron’s Educational Series

O dogo argentino é uma raça de cão de presa originária da Argentina. Faz divisão do grupo Geração Bullenbeisser. Junto com o Cão Pilha Argentino são as únicas raças de cães criadas na República Argentina, que ainda existem. As algumas duas, o cão polar argentino e o cão de luta de córdoba, localizam-se extintas.

A palavra bulldog tem um equivalente escrito em inglês e alemão como dogge e em francês e português como dogue. É um termo utilizado principalmente para definir cães de presa ou um cão de extenso alcance de pelagem curta. Foi montada pelo médico argentino Antonio Nores Martinez, que procurava um animal adequado pra caça maior de espécies comuns na Argentina, por exemplo porcos, javalis, pumas e raposas vermelhas.

  • ¡¡Não o comprendooo
  • ↑ 16,016,um http://www.permacultura.co.uk/readers-solutions/5-natural-me a curar-eczema
  • você Se pega por meio do gesto cotidiano de dar a mão
  • dois Usuário inscrito

Estes cães brancos chamaram a atenção, pelo motivo de incertamente outra raça podia vencê-los, nos círculos de competição. De modo a elaborar a raça Araucana. Posteriormente Nores Martinez se propôs legalizar o cão que havia feito, e como os duelos começaram a ser proibida em diversas partes do universo, inclinou-se por fazer um cão de caça que se erguesse, continuasse e capturar a presa.

A casta Araucana, não servia para a caça, pelo motivo de eram muito agressivos entre si, muito pesados em relação a tua altura e não tinha cheiro. Por que se introduziram linhas de Pointer, construindo-se a raça Guarani. Estes doges mantinham o espírito lutador da raça Araucana, todavia eram mais resistentes pra perseguir a presa, tinham melhor cheiro, e podia fazer com que não lutarão entre si. Vários anos de cruzamento, seleção e adequada ginástica funcional conseguiram que, até o fim da década de 1940, se conseguisse avigorar o dogo argentino atual, reconhecido como um cão de caça maior.

A raça foi formada cerca de 1928, e o padrão foi publicado em 1947. O reconhecimento oficial veio em 1964 pra Argentina por fração da FCA. Em 1973, reconheceu-se a grau internacional. Inicialmente foi classificado entre os sabujos e cães pra rastrear sangue, logo depois, classificou-se no grupo 2 (mastines) por parte da Federação Cinológica Internacional (FCI).

nas últimas décadas, o dogo argentino foi colocado nos estados unidos. EUA. e em alguns países da Europa. Atualmente é um dos cães regulamentares para a polícia no Líbano. A nível modelo racial, é um cão robusto, de infraestrutura maciça e resistente em todas as partes do corpo. Com a camada de cabelo completamente branco, para distingui-lo facilmente no campo e monte. A cabeça é vasto, com crânio maciço. Focinho ligeiramente côncavo, com lábios finos, que ao morder e pegar a presa lhe permitem prosseguir respirando sem soltar.

Os olhos de cor pardo, bem separados entre si. Orelhas eretas ou semierguidas, triangulares e corte —os países em que se permita ainda cortá-los-. O pescoço é musculoso, curvo e espesso. O peito é largo e profundo. A linha dorsal muito alta nos ombros, que logo depois se inclina para a direita.

As pontas são retas, com coxas musculosas, corvejones curtos, dedos unidos e curtos. A cauda é longa e grossa. O macho tem que mensurar entre sessenta e dois a 68 cm e as fêmeas entre sessenta a 65 cm e O peso do macho precisa ser entre quarenta a quarenta e cinco kg e as fêmeas entre quarenta a quarenta e três kg O manto sempre branco, sem manchas, as pigmentações não são desejadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima