Dez Estratégias Para Usar A Tecnologia De modo Consciente 2

Dez Estratégias Para Usar A Tecnologia De modo Consciente

�se Lembra da última vez que manteve uma conversa longa com outra pessoa sem dar olhadas furtivas para a tela do seu telefone smartphone? Ou a última ocasião em que gozava de uma atividade excitante com amigos ou com a família, desnecessário de documentarla e pendurá-la nas redes? Você de imediato saiu de residência pouco tempo atrás sem o teu smartphone no bolso, na mão ou no bolso? A Cada quantos minutos consulta? Existe um movimento silencioso, se bem que ainda mais alargado de pessoas que se relacionam com a tecnologia de outra forma.

São os chamados ” minimalistas digitais, um grupo de indivíduos que não se submetem ao FOMO (fear of missing out, o susto de perder qualquer coisa) quando se desconectar do telefone móvel e / ou das mídias sociais. Pessoas que resistem à tentação de consultar o seu telefone em cada semáforo, em cada viagem, de transporte público ou a cada dia ao acordar. Uma destas pessoas é a escritora e jornalista Lola Mayenco. Quando tento ficar com ela pra te entrevistar pra este artigo, eu tenho que publicar um e-mail, desde que Mayenco está de viagem em outro continente naquele instante e não leva consigo um telefone smartphone.

Ao ser perguntado como se faz isso na prática Mayenco me conta que, no decorrer do teu horário de serviço e deixar o telemóvel em silêncio e guardou na bolsa, o que lhe permite concentrar-se totalmente no teu trabalho. “Para temas urgentes, as pessoas sabem que são capazes de me mandar um e-mail com a tua mensagem, e que eu irei chamar quanto possa.

Fora do horário de serviço, uso o celular como se fosse um telefone fixo. Carl Newport conversa sobre este movimento em seu novo livro, Digital Minimalism, em que propõe uma espécie de procedimento de desintoxicação digital de trinta dias de duração. Embora a tecnologia, adverte Newport, não é intrinsecamente legal ou má: a chave é usá-la de forma consciente e não nos deixar utilizar por ela. Para esse professor de computação, o minimalismo digital é uma filosofia que nos ajuda a cuestionarnos que ferramentas de intercomunicação digital acrescentam valor à nossa existência e quais são o que restam. A realidade é que, definitivamente, lhes dedicamos algumas.

Em Off. Desintoxicação digital, um livro de Tanya Goodin, lemos números que causam vertigem: estima-se que escrever, passamos telas e clique em nossos dispositivos numa média de 2.617 vezes ao dia. Estamos consumindo 5 vezes mais sugestões do que em 1986 e 40% a mais que em 2013. E isto que desde 2012 vem se postando sobre a conveniência de seguir uma “dieta digital”. O exercício de smartphones dobrou nos últimos três anos, o que ou melhor que passamos de uma média de três horas por dia em frente à tela do telefone. É, pois que, descanso, o que procura um minimalista digital?

Para o anunciante Garcia de Ouro, o que buscam estas pessoas é “fugir do vício. Os alertas constantes de notificações. E, claro, o que eles querem é se conectar, re-ligar. Silêncio. O silêncio, o espaço, o tempo e o tédio; as bases de qualquer atividade criativa. Eu acho que, no fundo, procuram regressar à essência do digital, que era para estar mais perto, não mais retirado.

  • Definir o lugar mais apropriado para o público escolhido
  • 2 Que é um web site
  • O poder é das pessoas. Pablo Herreros
  • Táticas pra gestão de redes sociais

as Suas relações são, pois, mais de exercício. Não de vício. Como eu faço isto e desligo. Naturalidade. Também não é uma desconexão total, todavia uma naturalidade”. Nas minhas relações pessoais, tratou de minimizar as mensagens de texto, os likes, comentários, troca de imagens, e desse jeito por diante, e sempre que é possível primo os encontros cara a cara e as chamadas telefônicas. Prefiro as discussões em que posso observar as pessoas nos olhos ou pelo menos ouvir sua voz, já que, com as mensagens de whatsapp e outros chão continuar meias.

Sinto que charlo, porém não ligo realmente com as novas pessoas”. 1. Limitar ao máximo o número de aplicações, perfis em redes sociais e websites que consultamos: basta deixar os que nos trazem alguma coisa fundamental. Dar-nos conta de que nos serve apenas pra nos distrair, interrumpirnos ou fazer perder tempo, e eliminá-los. 2. Especificar exatamente quando e quanto tempo vamos prestar nossa atenção a estes web sites, aplicativos e perfis que nos parecem sérias.

Se nos damos conta de que estamos ultrapassando os nossos próprios limites, utilizar algum aplicativo para bloquear temporariamente o móvel, por exemplo Freedom. 3.Desligar as notificações , para impossibilitar o impulso de fazer click de modo inconsciente. 4.Ter a tela do smartphone em branco e preto, para torná-lo mais chato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima