E Os Humanos 2

E Os Humanos

Primatas é uma ordem de mamíferos placentários, a que pertencem os seres humanos e seus parentes mais próximos. Os participantes nesse grupo têm cinco dedos (pentadactilia), um modelo dental comum e uma primitiva (não especializada) adaptação corporal. A ordem dos Primatas é dividida em duas subordens, primatas, que inclui os lêmures e os loris; e haplorrinos, que acrescenta os társios, os macacos, os orangotangos, os grandes símios e os humanos. Conhecem-Se cerca de cento e cinqüenta gêneros, dos quais 2 terços estão extintos. Com exceção dos humanos, a maioria dos primatas vivem em regiões tropicais e sub-tropicais da América, África e Ásia.

Variam em tamanho desde o lêmure de Berthe, que pesa 30 gramas, até o gorila de montanha que pesa 200 kg O nome de “primatas” foi usado na primeira vez por Lineu, em 1758, na sua classificação taxonômica dos animais; significa “primeiros” em latim. A ordem dos Primatas faz parte do clado Euarchontoglires o que está dentro de Eutheria, pela categoria Mammalia. Estas 3 ordens juntam o grupo Euarchonta.

Este clado combinado com os glires (integrado por Rodentia e Lagomorpha) forma o clado Euarchontoglires. Em algumas ocasiões, tanto Euarchonta como Euarchontoglires são classificados como superórdenes. Alguns consideram a Dermoptera como uma subordem de Primatas e chamam os primatas “verdadeiros” por ordem primates, levando em conta. Plesiadapis, de 58 a cinquenta e cinco milhões de anos atrás (no final do Paleoceno no começo do Eoceno). De outro mamífero, Purgatorius, que existiu durante o início do Paleoceno e, teoricamente, o Cretáceo tardio, não se conhece com certeza se é um macaco ou um plesiadapiforme.

Outros estudos, que acrescentam observação por intermédio da técnica de relógio molecular, estimam a origem dos primatas há cerca de oitenta e cinco milhões de anos, em meados do período Cretáceo tardio. A cladística moderna, a ordem dos Primatas é monofilético. As 7 famílias de estreptirrinos estão conformadas as cinco famílias de machos e fêmeas e as novas duas os lorísidos e os galágidos. As classificações anteriores incluía Madagascar dentro Madagáscar e Galagidae dentro de Lorisidae. Durante o Eoceno, a maior parte do hemisfério norte foi dominado por dois grupos, adapiformes e os omomiidos.

O primeiro é considerado um Strepsirrhini, mas não tem um pente dental como os lêmures modernos; publicações novas têm sugerido que o Darwinius masillae acha-se dentro desse grupo. O segundo estava relacionado estreitamente com os olhos, macacos antropoides. Não é claro como estes grupos se relacionam com os primatas vivos. Adapiformes sobreviveu até há 10 milhões de anos.

  • 1 Doenças mentais
  • dois 1995 – Presente: Crescimento
  • 3 Faltas eliminatórias
  • Escovas e pastas
  • Não deixe teu cão no carro

De acordo com os estudos genéticos, os lêmures de Madagascar se separaram dos lorisiformes há mais um menos setenta e cinco milhões de anos. Estes estudos, o mesmo que a evidência cromossômica e molecular, evidenciam que as fêmeas são mais relacionados entre si do que com os outros prossímios. Madagascar em um único evento de rafting entre 50 e 80 milhões de anos. Outras opções foram consideradas, como a múltipla colonização da África e da Índia, mas não são respaldadas por evidências genética e molecular.

Até há insuficiente, o aie-aie foi penoso de rotular dentro dos primatas. Platyrrhini que evoluiu na América do Sul (macacos do Novo Mundo) e o parvorden Catarrhini, que evoluíram na África (macacos do Velho Mundo). Um terceiro grupo, o qual incluía a família Eosimiidae, que habitou a Ásia, porém extinguiu-se no decorrer do tempo Eoceno. Como este os lêmures, a origem dos ” macacos do Novo Mundo) não é de todo claro.

foi postulado que os simiformes se originaram, a princípio, pela África, e que uma população emigrou, ocorrendo, logo após, a especiação. Atlântico durante o Eoceno, ajudando no procedimento das ilhas da dorsal mesoatlántica presentes o grau do mar mais miúdo, saltando de ilha em ilha até a América do Sul. Outra vez o rafting podes esclarecer a colonização do continente por intermédio do oceano. Tendo em conta a velocidade do vento e das correntes, poderia ser um tempo bastante pra fazer a viagem entre os 2 continentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima