O Que Acontece Quando Mandam Elas? 2

O Que Acontece Quando Mandam Elas?

�Que é o poder? Sob o governo de uma mulher, a Islândia se tornou o primeiro país que diminui, por lei, a diferença salarial entre os gêneros. Independentemente de tuas políticas, é inegável que cada nomeação de um novo presidente ou primeira-ministra quebra, ou no mínimo faz balançar, o fatídico teto de vidro, e isto imediatamente é um passo a mais. Mas todos os Executivos presididos por mulheres são melhores pra seus congêneres?

Durante uma visita a uma universidade, um aluno reclamou a chefe de Estado da Finlândia, Tarja Halonen (que esteve no cargo de 2000 a 2012), de que os homens não possam ser presidentes. E é que as moças finlandeses haviam assumido com naturalidade que o poder era uma coisa só de mulheres.

  1. “Boa Noite Amiga és o Sol que ilumina a noite com a tua amizade. Boa Noite Amiga”
  2. Capítulo 4×187 (912) – “O Silêncio Do Adeus”
  3. Como lhe chamo, em vista disso, o que está acontecendo esta semana no Motor Ibérica?,
  4. Dom Roque coloca um altar de mortos para Ela, sua falecida esposa
  5. Este exercício é equivalente a fazer 1000 abdominais
  6. SAVIOLA: Algum time inglês médio picará.Um milhão

Esta anedota mostra a credibilidade da chegada delas para os mais altos níveis do poder político: por um lado, explicar as outras pessoas que são capazes de acessar o mais grande. E eles lhes apresenta que não há nenhuma lei natural que lhes predisponga a ostentar o poder de modo hegemônica. Embora só fosse em vista disso imediatamente mereceria a pena que tivesse mais mulheres ocupando chefias de Estado e de governo.

Atualmente, dos 193 países que existem no mundo, menos de uma vintena tem uma mulher à frente. A última a aderir a este anão clube foi a islândia Katrín Jakobsdóttir, líder do Movimento de Esquerda Verde, que se pôs à frente de um Governo de coalizão no término de novembro.

Mas o que são os governos liderados por mulheres melhores para seus congêneres? Outra recém-chegada ao clube, em setembro do ano passado, a neozelandesa Jacinda Ardern, que desencadeou a jacindamanía em teu povo. Em seu programa eleitoral Ardern incluía a descriminalização do aborto, ainda crime na Nova Zelândia, entretanto em alguns casos muito extremos. E bem como a competição contra a defasagem salarial e a promoção da presença feminina em posições de poder.

Haverá que aguardar um tempo para olhar se leva a cabo o seu programa e melhoria a existência das nova zelândia euniversidades. Outro povo que leva tempo com uma mulher à frente da Alemanha. A chanceler Angela Merkel, no poder desde 2005 e considerada a mais robusta do mundo, nunca fez o menor vigor por definir-se como feminista ou defensora dos direitos das mulheres.

no entanto, em uma reunião do G7, na Alemanha, em 2015, surpreendeu a diversos ao fazer a defesa do empoderamento feminino como uma das grandes causas que tinha que oferecer. Esta lei foi imposta pelos social-democratas, que formaram um Governo de coalizão com o partido de Merkel. Anteriormente, haviam conseguido entrar em validade em 2016 a lei de cotas, que obrigava a uma centena de grandes empresas a ter ao menos 30% de mulheres em seus conselhos de administração. A regulamentação foi celebrada como um passo histórico no caminho pra igualdade. E a própria Merkel assegurou ser “fervorosamente defensora” das cotas.

entretanto, ele está questionando sua eficácia, já que não institui verdadeiras sanções pra corporações que não cumpram. Junto com Merkel, a britânica, Theresa May é a outra grande líder da política europeia, que pouco tempo atrás vem sendo muito criticada por ter nomeado porta-voz do partido para temas de mulher nada mais nada menos do que uma militante antiaborto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima