"O Seguro De Vida Não É Um Produto Pros Ricos" 2

“O Seguro De Vida Não É Um Produto Pros Ricos”

Jaime Kirkpatrick de la Vega (Lyon, 1971), defende com paixão a reorientação estratégica que está liderando a filial espanhola do grupo segurador holandesa Aegon. A pergunta. Como são encaixado o conclusão de tua conexão comercial com diversas caixas? Resposta. Estamos satisfrechos porque temos conseguido bons acordos de saída. Com a reestruturação do setor apostamos em alguns dos grupos de caixas que se iam formando, como foi o caso de mais Tempo, e nos recusamos aos outros. Com a nacionalização e a intervenção de Caixa Mediterrâneo, tivemos que sair destas alianças.

Também de Banca Cívica, após tua absorção pelo CaixaBank. Em troca, fechamos um contrato para fazer o seguro com o Banco Santander, na Espanha. P. Como se traduz esta reordenação em números? R. Nós desinvertido cerca de 950 milhões de euros e com o acordo do Santander investiu 220 milhões. P. tiveram que cortar pessoal?

  • Irwin, Lew, de frank Sinatra. Uma vida em imagens: 1915-1998, Edições B, Barcelona, 1998
  • 12 Usar uma lista de produtos
  • IOS 9.3.2
  • 17 Riza Hawkeye
  • 1980: Mantendo’ the Summer Alive

R. Afortundamente, não. Apenas uma das faixas que tivemos que desfazer, nós tínhamos a gestão, o backoffice. Em troca, a aliança com o Santander está nos exigindo diversos recursos humanos. Em um pouco mais de um ano, ampliamos nosso quadro de pessoal em por volta de 50 pessoas, e continuaremos a contratação de mais pessoas.

R. Sim. Acreditamos que este mercado tem um imenso potencial. A distribuição de seguros está bastante montada pela web, no caso de seguro de veículos, no entanto pela vida e a saúde é muito infradesarrollado. P. Não é difícil de vender seguros de existência ou de saúde em um tema económico tão trabalhoso como o atual? R. São seguros mais acessíveis do que as pessoas pensam. Até mesmo famílias com baixos rendimentos, são capazes de permitir investimentos de dez ou 15 euros para se cuidar diante de ocorrências difíceis.

A gente pensa que um seguro de vida é um produto pros ricos, todavia não é bem deste modo. Somos conscientes de que há muita gente que não poderá nem ao menos assumir essas quantidades, mas não temos dúvidas que o potencial de desenvolvimento do seguro de vida ainda é muito extenso. O custo é inferior a tomar um café por dia.

P. Vendem também produtos focados seguros de existência poupança pela web? R. Sim. Está em nossos planos. O canal direto vai crescendo de forma imparável e também vendemos seguros de poupança suspeita. Como um país, nós temos que poupar mais. Temos vivido do crédito e temos chegado a níveis de endividamento muito alto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima