Professores De Portas Abertas 2

Professores De Portas Abertas

o instituto Julio Verne de Leganés (Madrid) 5 professores de diferentes disciplinas dão aula de cada vez na mesma sala de aula. O tema é a Guerra da Independência, e qualquer um explica o que domina. A de Desenho disecciona a Goya e o de Literatura analisa poemas sobre o assunto os convencionalismos sociais. A Biologia relata as grandes expedições científicas que começaram durante o Iluminismo, no tempo em que a História fala de Napoleão.

A sessão termina com Aba cantando Waterloo no YouTube, uma ideia que lhe ocorreu a Elena Laço, a de Inglês, que é a mais jovem do grupo. Parece um tanto caótico, mas a sala de aula tem 100 metros quadrados e os cinquenta e um alunos -ajuntaram duas classes de 4º a Isso – permanecem invulgarmente ligados.

  • Os 8 melhores tours de Medellín para visitantes – novembro 14, 2018
  • e-Mail
  • Governo reconhece corrupção no programa Venirauto.[739]
  • dois Alteração da ocorrência
  • Saiba quando é melhor escrever
  • Direcção-Geral da Qualidade da Gestão dos Programas Sociais

Não se distraem. “Em vinte minutos eu aprendi mais do que em dois dias”, expressará depois pra saída a apenas quinze anos Alexandre Utrilla. Esta inconfundível maneira de oferecer aula ainda é experimental do instituto. Ela e seus colegas dão aula juntos, avaliados em comum e se observam uns aos outros numa maneira de apreender o ensino que não é freqüente. Há poucos dias, o Relatório PISA puxava as orelhas para os docentes espanhóis, pelo muito que têm dificuldade em trabalhar em equipe.

A maioria reconhece-o em privado: um “excesso de zelo” leva a levar em conta uma “intromissão” do que outros colegas de entrar em sala de aula pra ver como o realizam. “Neste grupo todos nós pensamos: ‘Eu sou o mais recomendado’, e isto é um problema. Todos nós temos que aprender de todos”, reconhece Pedro Trujillano, a professora de História, que foi colocado pros alunos a sondar o decreto que Napoleão assinou em três de junho de 1808, pra apoiar a invasão de Portugal. Trujillano é a mais veterana e reconhece que não está acostumada a compartilhar os truques que tem acumulado durante décadas. Mas é isto.

” Porque, no instituto todos se deram conta de que o que estavam fazendo, não servia. “Os garotos se cansar e nós assim como. Toda gente vê que as coisas não funcionam, que existe um nível de suspensos e de abandono primordial. E a saturação é tão extenso que alguns da gente estamos colocando as pilhas. Não podes ser que haja professores que estejam querendo se aposentar”, diz Hernandez Revolta.

Ele apresenta a explicação pro diretor do instituto, Francisco Javier Bellón, que adiciona que “os caras lhes custa muito concentrar-se, já que tem várias coisas, como a web ou as redes sociais, que lhes distraem do aprendizado”. O Júlio Verne é um dos poucos centros que fez do trabalho em equipa entre docentes toda uma prioridade de teu projeto educativo. Desde a equipa de gestão que encoraja os professores a compartilhar o que realizam.

E não só colaboram entre si, no entanto que também promovem a tua metodologia no exterior. Algumas de tuas boas práticas são replicados em outros três centros de ensino Médio. Estes professores executam parcela de um novo movimento, ainda muito menor, que deixa a porta da sala sempre aberta e incentiva outros colegas, pra que entrem navegar. Conscientes de que são o pilar do sistema educativo e de que boa fração do que realizam repercute diretamente nos alunos, utilizam os sites e as mídias sociais pra compartilhar suas ferramentas.

É o caso de João Villar, professor de Língua e Literatura da Isso no colégio públicoEgape de Urnieta (Gipuzkoa). Também trabalha desta maneira Lara Romero, coordenadora TIC do colégio privado Alameda de Osuna de Madrid. Ou César Poyatos, um velho funcionário de uma subsidiária da IBM, que leva quinze anos dando aula no colégio conveniado, San Diego e San Vicente de Madrid. “Cada professor explica seus objetivos e os colocamos em comum. Nós Nos sentamos juntos, programas juntos e avaliamos de forma conjunta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima